Seguidores do Saber !

Direitos de Imagens

Direitos de Imagens
Toda imagem visualisada neste blog,são de origem do Google

sábado, 5 de junho de 2010

Meu filho é TDAH !(Carta Desabafo)




Venho por meio desta esclarecer, que

Sim, ando furiosa. Saber hoje que meu filho é TDAH ( transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ), e saber que, por isso :

"Um grande n.º de outras dificuldades a longo prazo tem sido associadas com relações negativas com seus pares na Infância, incluindo um maior risco de desenvolvimento de uma condição comórbida ( ex. : depressão, ansiedade ), abuso de substâncias, comportamento delinqüente ou criminoso, e instabilidade no trabalho. Resumindo, as crianças com TDAH que também apresentam desadaptação social, quando comparadas com outras crianças com TDAH que não são rejeitadas pelos seus pares, carregam um fardo psicológico maior, que as predispõe a dificuldades em várias áreas através da idade adulta ( e durante toda a vida )”.

A partir disso, começa a correria!! Psicóloga, neurologista, exames, dificuldade em lidar com os efeitos colaterais da medicação, aulas de reforço escolar, ufa!!

E ouvir, do colégio onde seu filho estuda que você "tem que dar um jeito nele", e "não queremos mães mal educadas neste colégio", etc. , me leva a seguinte pergunta: uma mãe pode ficar furiosa por se sentir abandonada e saber que seu filho, muito amado, inteligente, só que "meio atrapalhado", tem que ficar trocando de colégio para ver quem o aguenta ?


Por que todas as mães de crianças TDAH passam por isso?

Por que, quando eu ainda não contestava o colégio, nunca fui "convidada" a levar meu filho pra outra instituição, mesmo ele não se adaptando ao colégio ? E agora, após o diagnóstico de TDAH, no primeiro problema, fazem de tudo para que eu tire o meu filho do colégio, inclusive com ataques pessoais ?


Sobre o parágrafo acima, gostaria de entender: por que, quando eu ia ao colégio, todos os funcionários sabiam quem era meu filho, não pelo ruivo do seu cabelo, mas sim, por ser desastrado, etc, e ficavam comentando nas minhas costas? Por que viviam os professores reclamando e nenhuma boa alma me apareceu para dizer que seria boa a ajuda de um psicólogo ? Por que, das várias vezes que conversei com a coordenadora Margareth sobre levar o Felipe ao psicólogo ou se ela não achava que ele tinha algum problema, simplesmente me dizia: ora mãe, não é para tanto! Basta ser mais firme! _ E eu dizia: Mais??? Como???

Passei 12 anos tentando descobrir o problema e muitos profissionais ( de escolas ) diziam que “quando ele crescer vai amadurecer”...


Ok, eu já sei, que muitos profissionais estão despreparados, etc, mas... Não haverá aí também uma acomodação desses profissionais em fórmulas antigas, ultrapassadas, etc?


Mas aí apareceram as crianças com problemas... Os arcaicos, podem dizer: Maldita inclusão!!!! ( E eu digo: Bendita seja!!! ) Antigamente a população era menor, as pessoas tinham pouco acesso à informação e a vida era mais fácil ... assim dizem...


Já sei que, segundo todos os que conhecem bem esse transtorno, o problema sempre é da criança e dos pais. Todos estes profissionais lamentam o fato de nós, pais e os portadores de TDAH, passarmos por isso. Não estou me fazendo de vítima, ao contrário. O que eu gostaria de saber é: e quando alguém é vítima de um TDAH, o que dizer à vítima?


Sim, sou uma mãe furiosa. Além de mãe furiosa, agora sou também, a secretária que cuida da agenda do meu filho: aulas de judô, aulas particulares de inglês, aulas de reforço de matemática, química, física e português. Minha grande alegria deste ano foi conseguir uma professora de português que se comprometeu em não só dar aulas de reforço para a matéria deste ano, mas também, ajudá-lo a “sair do atraso” de vários anos nesta matéria.

Quem for MÃE que me atire a primeira pedra. Mas somente aquelas que forem mães. Às demais, fica somente a minha fúria.


Deus me deu o privilégio da maternidade. Tenho 3 filhos, somente um TDAH. Segundo o Dr. Jobair Ubiratan Aurélio da Silva, neurologista do meu filho, Deus escolhe bem as mães de filhos TDAH. Me sinto uma privilegiada em ter um filho assim. Depois dele, comecei a aprender sobre a hipocrisia, o descaso, o “tudo de ruim”, mas também, o melhor dos seres humanos.



Às que são mães, mas de filhos “que não dão nenhum problema”, digo-vos: tenho duas filhas que são deste tipo, e é como brincar de boneca... Uma alegria só!! Elogios....muitos!!! Professores as adoram, tem muitos amigos, aprendem tudo rapidinho...hummmmmmm, uma delícia!!

Mas... e quando o filho apresenta um problema? Claro, a culpa é da mãe!! Mimam demais, não dão disciplina, etc, etc... Um inferno!!


Mas... e quando não mimam e dão disciplina?? Claro, não estão fazendo seu trabalho direito!!


E quando a criança é TDAH ? .... hum...perguntinha difícil, já que hoje em dia já não se pode dizer que isso é uma invenção dos pais pra não educarem seus filhos... (CID 10: F90.0 ).

TDAH , apesar de nos cobrar doses enormes de paciência, não é um “bicho de 7 cabeças”. Mas, se pensarmos que parecemos “bichos de 7 cabeças” para essas crianças, a coisa muda.


Segundo todos os especialistas que lidam com portadores deste transtorno, SIM, eu tenho todo o direito de estar furiosa!!! EXIJO que os profissionais da educação se enterem do que é TDAH, para saber como lidar com ele, para que assim, deixemos de ser “bichos de 7 cabeças”.


Agora que todos já sabem quem eu sou, pelo meu “comportamento” na escola, digo que era essa mesma a minha intenção: SER COMENTADA.


Além de mãe furiosa, não sou conhecida por ser super protetora, muito pelo contrário: sou uma mãe, tia, prima, irmã, filha, sobrinha, neta, bisneta, cunhada e vizinha que não gosta de bate- boca. Isso mesmo! Me chamam de obstinada (nem sempre sendo como um elogio), aquela que resolve as situações quando os demais envolvidos também anseiam por ela.

A família do meu marido é bastante numerosa (são 10 irmãos). Não havia muito diálogo entre eles, mas sim, muitas reclamações. Hoje, o Natal, e muitas datas comemorativas, acontecem na minha casa. Detalhe: é uma família japonesa. Por incrível que pareça, não há intrigas, disputas, mas há sim, muito carinho entre os cunhados/cunhadas e aproveitamos nosso tempo juntos, para brindar à vida, pelo prazer que nos dá em nos reunirmos, fazermos parte da vida uns dos outros, fazendo aquilo que Jesus nos ensinou: Amarmos uns aos outros. Sabe quem tem o mérito por isso? TODOS nós. TRABALHO DE EQUIPE. SENSO DO DEVER . A consciência de sermos o exemplo maior dos nossos filhos.


Toda linda história de amor nem sempre tem um lindo começo. Depende dos corações que batem dentro de nós. Eu tento sempre sentir “onde aperta o sapato “ no outro. Quando não consigo, através de uma simples tentativa, tento entrar dentro do ser que me pede ajuda, para entendê-lo.


Acredito piamente que essa é a única estrada a seguir. Entender o outro não quer dizer fazer o que o outro quer, mas sim, buscar um consenso.

Espero que entendam “onde o sapato me aperta” com esse “desabafo”. Já que me está proibido pela diretora falar com quem quer que seja deste colégio (ela disse que é dona desta instituição e eu só posso resolver (...) com ela ... ). Sem comentários.

NÃO estou furiosa por meu filho ter ficado de recuperação _ que fique bem claro. Eu mesma já discuti com uma professora de geografia, 2 anos antes, por NÂO o ter deixado de recuperação. A minha preocupação é com o ser humano que estou preparando “pro mundo”. Que o repitam, o coloquem de recuperação, pouco me importa. Me preocupa sim, e muito, em torná-lo em um “Homem de Bem” (pareço minha avó, desse jeito..rs). Com a ajuda de Deus, conseguirei, sabendo que : “Uma andorinha só não faz verão”.


E quem for MÃE, que me atire a primeira pedra!

Fonte da Pesquisa Imagem do google
Luciani Cordeiro
http://lucianicordeiro.blogspot.com/


Como você mesma diz (Super)Nani não podemos salvar o mundo! Mas uma gota de sabedoria pode apagar um fogo da ignorância e da maldade.
Unidas na força de mostrar o que é TDAH.
(Mary Cely)

10 comentários:

  1. Meu Deus!!! Até parece que fui eu que escrevi esse desabafo! Sempre digo, só muda o endereço, os "problemas" são os mesmos, moro em Curitiba e as escolas por onde passou meu filho TDAH, são iguais a do desabafo acima!!! Isso muito me entristece, pois definitivamente, não são nossos filhos ou nós mães que somos super protetoras, sabemos que uma coisa não está certa, e por despreparo dos que deveriam observar essas coisas, penamos até que encontramos um rumo correto a seguir! E quando descobrimos como andar existem muitos querendo nos dar rasteiras! É muito triste, por isso devemos nos unir, pois esperarmos de algum "setor" ficaremos de mãos atadas pro resto da vida! Quem quiser compartilhar essa maratona, pode me escrever pois sei muito bem o que é passar o final de semana todo tentanto fazer seu filho entender a matematica ou o portugues... Sei muito bem o que é ter que dar aula particular e ainda ter que descobrir como se faz, pois já estudei a tanto tempo que muitas coisas cairam no esquecimento! Afff, vamos lá pra mais um dia!
    Um beijo a todas nós, escolhidas por Deus, pois eu também me sinto assim: escolhida pra essa missão!
    renataosga@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. renata diz:nossa que desafabo heim incrivel sou mãe de um portador de tdah,com desritmia,nossa vc disse tudo fico a pensar como pode professores com um grau de instrução a nivel de faculadade as vezes ser tão ignorantes (digo na forma de conhecimento de certas coisas) estou passando por uma barra com meu filho em fase escolar,e muito chato ter que ficar dando aulas sobre o tdah pra professores,fala serio,digo que seu problema e o mesmo que o meu so muda o endereço.correa.rp@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Querida Mãe!
    Me vi no seu desabafo. Não exatamente igual mas pela dor e angustia que sentimos com o futuro deles. Por ouvirmos dizer que "ELES" têm mais propensão a isso ou aquilo. Mas que também podem usar isso para se destacarem com tanta criatividade que possuem. Meu filho também é portador de TDAH com Impulsividade mas ele não tem problemas com o ensino. Tira sempre ótimas notas mas o comportamento dele é sempre o pior possível.
    Diferente de você, tenho o total apoio de todo o corpo docente da escola. Até dos inspetores de pátio, que o adoram. Porém, quem o estigmatizou foram os coleguinhos e seus pais. Meu filho deixou de ser convidado para os aniversários mas ele, por enquanto, com 9 anos, está tirando isso de letra.
    Porém, o que mais me arrasou foi a falta de amor e interesse das catequistas da Igreja onde ele está para fazer a 1a. Comunhão. Foi lá que conhecemos as pessoas mais intolerantes e despreparadas, a hipocrisia de fazer um trabalho voluntário para crianças e ao se verem com um problema, simplesmente nos varrer para o lado de fora da calçada.
    Tem hora que fico desorientada mas ao ver o quanto meu filho é inteligente, amoroso e especial, me faz sentir muito orgulhosa dele. Quem tem o privilégio de conviver mais intimamente com ele, só tem elogios.
    Não desanime. Vai encontrar muito gente boa pelo caminho.
    Residimos em Niterói e além da escola dele, só temos encontrado excelentes profissionais da saúde.
    Que Deus ilumine o caminho de vocês.

    ResponderExcluir
  4. INFELIZMENTE TAMBÉM VIVO ESSE PROBLEMA MAS EU SIRVO A UM DEUS TODO PODEROSO E EU SEI QUE ELE É FIEL PRA RESOLVER TUDO ISSO. ESPERO COM PACIÊNCIA NO SENHOR ELE É MINHA FORTALEZA!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. OI QUERIDA!!!! TBEM SOU DE CURITIBA E A 15 DIAS LEVEI UM SUSTO AO NEURO DIAGNOSTICAR MEU FILHO COM TDAH. NESTES POUCOS DIAS J'A LI MILHOES DE LINHAS SOBRE O ASSUNTO E DOIS LIVROS, AT'E PARECE QUE J'A SEI TUDO NA TEORIA E QUE OS PROFESSORES NUNCA LERAM NADA SOBRE ISSO....A MINHA HISTORIA 'E REPLICA DA SUA , ESTE ANO VOU TENTAR MANTE-LO NA MESMA ESCOLA, 'E PARTICULAR E FOI MARAVILHOSA P/ O MEU OUTRO FILHO NAO PORTADOR DE TDAH. VC SABE DE ALGUMA QUE ESTEJA MAIS PREPARADA PARA ESTAS CRIANCAS AQUI EM CTBA???
    PS: MAIS DIFICIL QUE DESCOBRIR QUE MEU FILHO 'E TDAH, FOI IDENTIFICAR QUE MEU MARIDO COM 40 ANOS NADA MAIS 'E QUE UM TDAH DIAGNOSTICADO POR MIM PELAS SUAS ATITUDES QUE 'E A PROPRIA LITERATURA DOS SINTOMA DO TDAH. O QUE ME ALEGRA EM TUDO ISSO, QUE MEU MARIDO POR SEUS INUMEROS DEFEITOS ASSOSSIADOS AO TDAH, 'E MUITO BEM SUCEDIDO NO QUE FAZ E SE SOBRESAI AOS CONCORRENTES, POIS SEU HIPERFOCO O LEVA AONDE QUER CHEGAR....O TDAH TEM SEU LADO MARAVILHOSO !!!!

    ResponderExcluir
  6. Querida mãe-amiga,
    Sua indignação é a mesma minha...sofri e sofro todos os preconceitos e julgamentos errôneos que uma mãe com filho portador de TDAH pode sofrer. Parece até uma doença infecto-contagiosa."afaste-o dos outros para não contaminá-los..". Seus medos, angústias e fúria são vividos por todas nós, como relatado nos comentários acima. É preciso muito amor, determinação e força, para que possamos cuidar dos nossos filhos e cobrar para que num futuro próximo a formação dos profissionais educadores seja mais abrangente e atual, pois esse assunto já é tema em vários seminários e congressos de educação superior.Sem falar na enorme quantidade de livros sobre o assunto. Muito me admira até a presente data os responsáveis de colégios particulares ainda não terem se dado conta da importância de profissionais preparados e quando digo preparados é professores ,orientadores e pedagogos com o conhecimento e informação do assunto, orientando e sabendo como se comunicar com os portadores de TDAH e, acima de tudo respeitar seus alunos com TDAH bem como seus pais, já tão sofridos.
    Parabéns pela coragem, garra e acredito que só cobrando e nos posicionando poderemos dar a nossos filhos portadores de TDAH ou não um ensino e uma vida de qualidade e RESPEITO!!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Querida companheira a distância, nesse momento meus olhos estão cheios de lágrimas de emoção. A cada linha de seu texto consegui sentir toda a emoção, tristeza e indignação que você sentiu ao escrever. Faz uma semana que meu filho recebeu o diagnóstico de TDAH, porém há muito tempo sofro com o que escuto dos professores e equipes pedagógicas sobre seu comportamento, e principalmente as sombrias previsões que estes fazem acerca do seu futuro. Tive a frágil esperança de que o laudo pudesse fazer com que esses profissionais entendessem que as limitações de atenção e muitas vezes o comportamento fora do padrão não são fruto de falta de limites, preguiça ou uma educação que deixou a desejar. Pensei ter encontrado meios para uma solução, mas me dei conta de que só encontrei subsídios para uma longa batalha. O mais difícil de aceitar é que a grande maioria desses profissionais acredita que só fomos à procura de uma desculpa para os nossos erros como pais. Mas nem tudo são sombras. Tenho a certeza de que, com nosso apoio, perseverança e absoluta confiança no potencial de nossos filhos, vamos ajudá-los a alcançar a sua plena realização. Obrigada a todas por me deixarem consciente que não estou só nesta luta.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. oi, estou vivendo um momento muito semelhante. minha filha está sendo massacrada no colégio e só agora acordei para essa realidade.. não me interessa se ela vai passar de ano ou não, me interessa se ela está feliz. e não está. viver com um tdah não é fácil, exige muuuita paciência e dedicação. amo demais minha filha e farei de tudo por ela. no momento, estou trocando de escola, pois sua autoestima está quase destruída. mas tenho muita esperança de que um recomeço lhe fará bem. precciso, e muito, de textos como esse para ter certeza de que minha angústia não é única.

    ResponderExcluir
  10. Josiane de Macedo, 20/09/2012
    Depois de 40 dias que entreguei o laudo de TDHA no colégio de meu filho, a contribuição da escola foi maravilhosamente desastrosa. Depois de enviar a bela pastinha de anotações do meu filho para o conselho tutelar e pedir uma posição desta entidade considerei que nada pior poderia acontecer. Hoje, esqueci meu celular em casa e quando cheguei tinha ligações da escola, já fique apavorada. Por causa do horário ligue diretamente para meu filho, ele não atendeu. Passado uma hora me ligam da delegacia do adolescente para eu ir retirá-lo do local, no qual se encontrava detido por um probleminha com professor, sem mais explicações. Nem preciso tentar comensurar o meu desespero. Bem resumindo, ele falou um palavrão na sala direcionado a um colega que estava rindo dele por meu filho ter sido mandado para fora de sala. Considerando todos os seus antecedentes, antipatia direcionada a ele e a concreta perseguição devido ao seu comportamento a chance de se explicar, ser escutado ou ter o mínimo de credibilidade por qualquer uma dos diversos adultos que deveriam estar lá para resolver de maneira inteligente a situação (nem digo pedagogicamente) é algo totalmente descartável. Simplesmente chamaram a patrulha escolar, ele foi retirado da escola escoltado por policiais e levado a delegacia por onde permaneceu por 5 horas, até eu ir buscá-lo. E o professor me disse que estava exercendo o seu direto de funcionário público. Só me pergunto se ele lembrou em algum momento de exercer a sua função de educador dentro de uma escola que tem como proposta a inclusão. Não, é muito mais fácil rotular e tentar se livrar do problema, resolver é só para os fortes. Não critico a posição da escola em tomar uma atitude diante do fato, mas mandar para a delegacia acredito ser meio extremista. Qual o próximo passo colocá-lo na cadeia por ter TDHA?

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Crianças Felizes Demais Nosso Blog!