Seguidores do Saber !

terça-feira, 2 de março de 2010

Casos Reais de TDAH


Concurso em Brasília

Texto por Ana Martha Moreira

Fui fazer uma prova de concurso em Brasília (moro em São Paulo), toda empolgada, com medo de esquecer algum detalhe, chequei tudo com antecedencia, hotel, horário do voo. De passagem comprada, e hotel reservado e já pago, documentos necessários dentro da bolsa (afinal já perdi prova por ter esquecido a identidade). Olhei no site mil vezes o local da prova, o horário e a data. Ponto para mim, tudo estava correndo bem. Cheguei em Brasilia, um dia antes da prova (para não correr riscos), e fui imprimir o cartão de inscrição, para minha surpresa, tinha esquecido de pagar a inscrição, logo não estava inscrita no bendito concurso. Perdi a prova, claro.

Devo, não nego, pago quando lembrar

Mariana Medeiros Souza

Sempre soube que tinha TDAH mas nunca acreditei muito no tratamento. Meu irmão também tem, mas se trata. A partir dai comecei a reparar nele e a confiar que pode haver uma melhora. Enfim, decidi ir ao Neurologista e fazer todos os testes. Resultado, TDAH como esperado. Chegando no consultório da médica, fui atendida depois de uma hora e trinta minutos. Era uma consulta particular e estava com o dinheiro separado na bolsa. Fui consultada e fui embora. Ontem, fui ao cinema depois de quase um mes da consulta e deparei com uma certa quantia de dinheiro em um dos meus bolsos e não conseguia me lembrar de nada que tinha que pagar e não teria pago. Depois de dois dias procurando saber de onde tinha saido esse dinheiro, acabei descobrindo nao por mim, claro, que era da consulta da própria Neurologista. Bom, pelo menos posso usar a desculpa que ainda não estava sobre medicação.

Eu odeio TDAH

Texto por Gabriel Perez

Eu odeio TDAH. Esse transtorno é terrível e eu não agüento mais o sofrimento que isso me proporciona pelo fato de ser desligado. No colégio eu era "burro" e "esquecido", era constantemente ofendido por meus companheiros de escola e não tinha crédito com meus pais. Quando reprovei o 1º colegial, meu pai me chamou de pangaré, cavalo perdedor. Com muito custo e com muitas notas baixas, terminei o colégio e só com 18 anos minha mãe resolveu me levar ao psiquiatra e veio o diagnóstico. Nesse meio tempo eu entrei no curso técnico de Segurança do Trabalho e reprovei o segundo módulo. Prestei o vestibular para medicina e não passei. No meu estágio o TDAH estraga aonde pode. Mesmo após quase 2 anos eu não consegui controlar o TDAH e não tenho o apoio de ninguém de família ou amigos. TDAH para os demais é frescura, esse termo já estragou com a minha vida estudantil, está estragando com a profissional e vai continuar estragando. A maior consequência é o desespero, pois você se sente lesado porque não consegue manter um raciocínio lógico, continuar estudos, dirigir, fazer contas, tocar guitarra e etc. O pior é que eu sento para estudar e tento de me concentrar e 5 minutos depois estou olhando para porta e 10 minutos depois estou balançando a perna e isso gera um sofrimento na alma inacreditável.

http://www.tdah.net.br/
Site da DrªViviane Cornachini.
Autorizou as postagens
Ps.Os textos são reais só os nomes foram alterados de acordo a dona do site postado .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Crianças Felizes Demais Nosso Blog!