CLIQUE EM Nossos anuncios.

CLIQUE EM Nossos anuncios.

Seguidores do Saber !

Direitos de Imagens

Direitos de Imagens
Toda imagem visualisada neste blog,são de origem do Google

terça-feira, 9 de novembro de 2010

TDAH Carta Desabafo de uma Mãe.


TDAH.
Carta desabafo de uma mãe.Celia Telli meu filho é TDAH e dai?


Um ano se passou desde que consegui o diagnóstico da Neuropediatra, para o TDAH de meu filho Pablo, que agora está com 10 anos e 9 meses. Após ele ter sido reprovado a terceira série ano passado numa escola pública, este ano o matriculei numa escola particular, com 15 alunos na terceira série, onde ano passado eram mais de 30 alunos, e a professora de agora é também psicopedagoga.
E graças a Deus, este ano ele vai passar.
Mas nem tudo são flores, nesta vida, que “é um combate que aos fracos abate”, como diziam meus avós; como ele tem comorbidades advindas do transtorno, desenvolveu o “transtorno do opositor”, pelas dificuldades que sentia no aprendizado, acabou desenvolvendo certa resistência a não querer fazer as tarefas, pois este ano ele estava indo bem, até que em agosto começou novamente com o transtorno do opositor, e agora estou também o levando a uma psicóloga, pois a escola disse não saber lidar com isso, e é muito difícil mesmo, mas é algo que ele não controla.
Mas ainda sou chamada pela coordenação, agora não com tanta freqüência, mas me chamam para reclamar das oposições que ele faz em não querer colaborar nas tarefas, até mesmo na aula de natação que ele gosta tanto, não quis fazer o teste para passar ao segundo nível, pois a escola trabalha com a filosofia Gustavo Borges. Já falaram na escola (até a psicóloga também falou) que não é para deixar que ele se esconda atrás deste problema, que ele diz: eu tenho problema, como desculpa de não querer fazer as tarefas; mas a questão é que ele tem mesmo o problema, senão eu não estava tendo que tratá-lo, eu não seria chamada na escola, e ele faria as tarefas normalmente.
Então, por aí vejam que não é fácil lidar com este problema. Muitas vezes tenho a impressão que a escola quer se esquivar do problema, fazendo que ele se adapte a escola, e não a escola a ele, pois se ele tem o problema, foi diagnosticado, ele toma remédios e tudo, para controlar a ansiedade, impulsividade, e Ritalina para melhorar a atenção, no que melhorou muito em relação ao ano anterior, que não tinha diagnóstico, a não ser os da escola (ano passado), onde as professoras diziam que ele não tinha nada além de ser preguiçoso não querer aprender, etc...etc e tal , coisas absurdas que só faziam levar a auto estima dele abaixo do chão.
Ele tem dificuldade de auto controle, principalmente gastronômico, ele está acima do peso, pois não pratica esporte não gosta de nada, somente a natação mesmo, ele não consegue se organizar, pega algo deixa fora do lugar, é uma luta constante por organização entre eu e ele.
Mas ele é muito inteligente, e super criativo, e tem habilidades com desenho, que é o que ele gosta. Assistir televisão, e jogar vídeo-game é o que o ocupa a maior parte de seu tempo. Nas tarefas tenho que estar sempre de marcação, senão ele não faz.
Mas ele não tem culpa de ser assim, e eu também possuo déficit de atenção, pois quando eu era pequena, na escola as professoras estavam lá falando, e eu num outro mundo bem diferente, e isso acontece sempre comigo, as pessoas falam comigo e eu estou pensando em outra coisa e não consigo me concentrar no que elas estão falando, mas eu consegui chegar a uma faculdade com muita exigência de mim mesma, acho que nós mulheres temos maior capacidade de disciplina que os homens, pois desde cedo já minha mãe me colocava para fazer serviços caseiros, acho que isso me ajudou a auto-disciplinar.
Aos poucos estou fazendo com que ele arrume as coisas dele, mas é difícil, pois ele é totalmente desajeitado para isso, mas a persistência vai ter que vencer.
Acho que resumidamente tentei colocar aqui como estamos indo com o tratamento, as dificuldades encontradas, quero aqui convocar a todos para fazermos um espaço para que coloquemos nossas histórias, a fim de que possamos nos ajudar, e fazer com que nossos filhos consigam superar esse transtorno, espero que mais pessoas coloquem aqui suas experiências e dividam com as pessoas as dificuldades, e que se alguém tem sugestões a dar que sintam a vontade, pois tenho certeza que esta é a maior intenção da blogueira responsável por aqui, ajudar as pessoas a superar este problema. Aproveito para mais uma vez parabenizar minha amiga querida, Mary Cely que conheci pela internet há alguns anos e que sensibilizou-se com problema do Pablo e abriu este super blog para nos ajudar.
Grande Abraço amiga desejo sucesso sempre em tudo que você fizer.
Que Deus a ilumine sempre!

Célia H. Telli.



P.S.è amiga somos apenas algumas gotas neste imenso oceano.
Mas precisamos tentar fazer algo ,mesmo que as portas se fechem sempre encontraremos uma Luz em nosso caminho.
O dificil já passou que foi conseguir o diagnóstico real.
Agora Vamos que vamos que a hora é esta.
Paz e bem a ti irmã e xará Celia.
Amigas para sempre independente das adversidades que são muitas.
Abraços e beijos em meu sobrinho Pablito menino de Ouro.





“O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo.
O que for o teu desejo, assim será tua vontade.
O que for a tua vontade, assim serão teus atos.
O que forem teus atos, assim será teu destino.”

Brihadaranyaka Upanishad

7 comentários:

  1. Célia, sou portadora e mãe de uma criança de 10 ano com TDA/H. Ele também desenvolveu comorbidades, incluindo transtorno desafiador opositor.Nós que vivemos isso diariamente, sabemos como é difícil manter o controle, para não piorar mais ainda a situação.Temos também a tarefa de reconhecer quando ele está sendo simplesmente malcriado ou se a sua ação é por causa do transtorno.Tenho muita vontade de termos um grupo de apoio, pois assim dividindo e trocando experiências poderemos conviver melhor.
    Força e fé que conseguiremos ajudar nossos filhos a terem as mesmas oportunidades das crianças que não tem TDA/H
    Mary Cely, me desculpe por ocupar tanto espaço no seu blog.Um abraço e obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Olá mães.
    Eu também sou mãe de uma criança como as de vocês.
    Gariel hoje tem 12 anos, mas no começo, tenho certeza, que passaram pelo que eu passei. Diagnóstico errado, e profissionais sem conhecimento para lidar com estas crianças.
    A primeira coisa que o médico do Gabriel me disse quando cheguei no HC( acabei indo para lá, porque mesmo com um bom convênio há alguns anos atrás não tínhamos tantos profissionais preparados como hoje): Ele me disse exatamente:
    "_Um dia vc vai se orgular do seu filho."
    E eu me orgulho do meu filho. Ele é lindo, inteligente. Como vcs mesmo mencionaram, desenvolveu outras características: o Toc.
    Também trato com terapeuta, Ritalina, psiquiatr e por aí vai...
    Não é fácil! Ao contrário, Gabriel estudava numa escola particular. Eu achava que estva sendo melhor p/ ele. A pedagoga e psicopedagoga pareciam sempre estar acompanhando tudo, mas ele sofria buling, não tinha amigos, e eu não percebia o quanto iso estava impactando na parte emocional do meu filho.
    Quando resolvi tirá-lo do colégio, ele precisou de um acompanhamento terapêutico muito mais intendo, estava com o emocional em frangalhos.
    Havia dias que eu chorava junto com ele, porque me contva como não tinha amigo e como era tratado na escola pelos meninos.
    Hoje meu filho está numa escola da Prefeitura e se eu soubesse que ele seria tão bem aceito, teria feito esta troca há mais tempo.
    Meu filho é outra criança; com auto-estima melhor e se tornando mais independente.
    É claro que criança com TDAH, exige muito mais atenção. Da minha parte não tem sido fácil, porque eu também tenho e estou fazendo o tratamento.
    Não desanimem. Estas crianças são maravilhosas. Fiquem atentas aos "dons" dessas crianças. Elas não são crianças comuns.
    Força! Fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Olá Bia e Eleanora, fiquei feliz em saber que não estou sozinha nesta caminhada, e que estão também lutando assim como eu, com o TDAH. O importante é deixarmos nossos filhos onde melhor se identifiqueme que seja da vontade deles, o meu filho está gostando da escola atual, e isto conta muito, pois antes não queria ir a escola. O meu filho tem muita ansiedade também, não consegue esperar nada, tudo para ele tem que ser para ontem. Bom podermos trocar experiências e aprendermos umas com as outras. Que Deus nos ilumine e nos dê muita força nesta jornada, e proteja e guarde nossos filhos. Grande abraço! Célia Telli.

    ResponderExcluir
  4. Oi Célia!! À alguns dias descobri que meu filho tem TDA/H tipo combinado. Sofri muito com a escola principalmente porque eu tirei da escola e a escola disse que a todos que foi expulso, criando uma situação difícil, e sem falar na falta de respeito pelo próximo, meu filho foi sempre rotulado por danado e preguiçoso, sofri muito e ele também, acho que as escolas tem que saber lidar com os alunos portador desse transtorno e não ficar fazendo a exclusão, mas sim a inclusão. Fiquei muito magoada com a postura da escola, moro numa cidade pequena e esse fato foi motivo de fofoca na cidade inteira, mas entrego tudo nas mas de Deus, sei que meu filho é capaz e tem uma inteligência acima da média, tem habilidade pra música, desenho e tudo ele aprende, só não consegue passar pro papel, sua provas são orais, sei que nossos filhos vão ter brilho na vida!!! E Deus não nos dá um problema que não podemos resolver, abraçar a causa e vencer preconceitos, fique com Deus!!! Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Oi Nágila, meu filho também passou por displicente, sem interesse, preguiçoso, enfim, tudo isto já sentimos na pele, o importante agora é que vc tem o diagnóstico e entende melhor seu filho, e nós temos que lutar por eles, o meu até hoje tem dificuldade para ler e escrever, ele também entende a matéria e sabe falar. Com certeza nossos filhos são diferentes, sensíveis ao máximo, vieram para mudar o mundo, e vão fazer a diferença quado adulto, disso tenho certeza. Tenhamos força e coragem para caminharmos ao lado deles, e como vc disse vencer os preconceitos. Que Deus abençoe nossos filhos e a todas nós. Bjusssss.

    ResponderExcluir
  6. Como todos voce tenho uma filha maravilhosa com TDAH, hoje ela tem 08 anos, é minha amiga de todas as horas. Mas tb passamos pelos mesmos problemas, na escola, com os amigos, no dia a dia não é facil. Hoja em dia depois de muito sofrer sem resultados, estamos tratando no Hospital São Paulo. Ela ja pomau varios medicamentos, que não soltiram efeitos e pelo contrario aumentou a agitação. A Ritalina foi o ultimo, eu e minha esposa junto com os avos maternos sofrem muito com esse comportamento, é muito desgastante. Sofrem todos, principalmente a criança, ja estamos nessa luta a mais de 02 anos. Na escola o maior problema de munha filha é ficar na sala de aula, seu aprendizado é muito bom, hoje ela esta no inicio do 3º ano, eu tinha colocado tanta fé neste medicamento (Ritalina), mas ela ficou muito estranha, com uns tiques muito feios. Hoje ao colocar minha cabeça no travesseiro me pergunto, quanto mais tenho que caminhar até que consiga acertar uma medicação ou sei lá que isso passe. Se alguem esta a minha frente sobre tudo isso, passe para min. Nossa familia esta cada dia mais acabada com o estado da nossa princessa. A todos que de alguma forma eu poder ajudar entre em contato comigo pelo e-mal wal.santos.2007@globo.com

    ResponderExcluir
  7. As vezes acho q não vou conseguir.. Meu filho tem 8 anos e foi diagnosticado com TDHA. e não sabia nem o q era isso é as vezes quero acreditar q nao tá acontecendo isso comigo nem com ele.. Muito ruim ver seu filho com os deveres tudo por fazer e ver q ele não consegue fazer sozinho. Precisa sempre dá ajuda de alguém.. As vezes sou impaciente com ele, falo coisas q não devo, fico muito nervosa com tudo isso. Preciso de ajuda!!!! De conselhos de um luz. Não queria q ele fosse assim, não consigo aceitar..

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Crianças Felizes Demais Nosso Blog!