CLIQUE EM Nossos anuncios.

CLIQUE EM Nossos anuncios.

Seguidores do Saber !

Direitos de Imagens

Direitos de Imagens
Toda imagem visualisada neste blog,são de origem do Google

sábado, 26 de junho de 2010

Carta de uma criança Índigo a um professor


Carta de uma criança Índigo a um professor

'Olá e obrigado por ler a minha carta.

Eu sou aquela criança que normalmente não pára quieta na carteira, e a quem está sempre a dizer para se calar. É que, às vezes, eu entendo as coisas antes do Senhor acabar de explicar a matéria e, se tem de repetir, aborreço-me.

Às vezes posso ser muito mal-educado ou explosivo para chamar a atenção. Gosto de falar de temas que o senhor "acredita" não serem para a minha idade. Está sempre a dizer aos meus pais que não consigo aprender, no entanto, se alguma coisa me interessa aprendo facilmente, mas quando já tenho conhecimentos suficientes ponho de lado porque me aborreço.

Não contesto a autoridade, mas o entendimento e as explicações. Aprendo por imitação: o seu exemplo para mim é muito importante. Segundo o senhor, estou sempre a transgredir as normas e a criar outras. Sou esse génio em "potência" que se se concentrasse em algo seria melhor...

Os meus pais levaram-me ao médico e dizem que tenho ADHD, uma coisa chamada "Deficiência de Atenção com Hiperactividade", e isso quer dizer que não paro quieto, não posso prestar atenção durante muito tempo, distraio-me facilmente e, além disso, sou hiperactivo.

O médico queria que eu tomasse Ritalin (a minha mãe recusou dizendo que as anfetaminas criam toxicodependentes). Então, ela investigou e, agora, faço coisas que direccionam a minha energia (desporto, artes marciais, Tai-chi, Yoga), e evita dar-me alimentos com açúcar ou glucose e sinto-me mais calmo.

Não gosto que me tratem como criança, talvez saiba menos de certas coisas, mas isso não significa que não saiba. Estou no meu processo.

Dê-me mais tempo para assimilar as coisas, pois aprendo de maneira diferente.

Se eu não aprendo de uma forma tradicional... porque usa sempre a mesma maneira? Quem sabe se fosse um método mais prático?

Estou sempre a perguntar... porquê? Isso não quer dizer que o estou a pôr à prova, tenho somente curiosidade. Se não souber a resposta diga-me. Não seja evasivo, guie-me para eu encontrar a resposta.

Gostaria que me incluísse quando tomasse decisões que me afectam, não sou simplesmente mais um aluno.

Gostaria que reconhecesse que sou diferente e não que me classificasse como diferente.

Não sou nem mais nem menos que o senhor. Se me explicasse para que serve o que estudamos e que para conseguir certas coisas preciso de disciplina, reagiria de maneira diferente.

Quando não me conseguir concentrar faça alguma actividade para me distrair: um jogo, música, dança... Mas não grite comigo.

Sei que muitas vezes se desespera na sala de aula pois nenhum de nós lhe prestar atenção. Já se preocupou em saber o que realmente nos interessa?
Despeço-me com Amor José Manuel'

(Este texto foi escrito por José Manuel Piedrafita Moreno, Educador e Índigo Adulto. É livre de usar e divulgá-lo desde que não altere integral ou parcialmente, incluindo os créditos)


Texto da Pesquisa
http://www.universodeluz.net/
Imagem do google

terça-feira, 22 de junho de 2010

Hiperativo ou pestinha?






Logo de cara não é fácil distinguir o que está por trás do comportamento estabanado. Afinal, os três principais sintomas do DDA - distração, impulsividade e hiperatividade- são típicos da infância. Mas em comparação com crianças da mesma faixa etária tudo neles está exacerbado. As características abaixo não servem para diagnosticar o distúrbio, mas devem chamar a atenção dos pais:



• com freqüência mexe ou sacode pés e mãos, remexe-se no assento, levanta-se da carteira

• é facilmente distraída por estímulos externos

• tem dificuldade de esperar sua vez em brincadeiras ou em situações de grupo

• com freqüência dispara respostas para perguntas que ainda não foram completadas

• tem dificuldade em seguir instruções e ordens
• tem dificuldade em manter a atenção em tarefas ou mesmo atividades lúdicas

• freqüentemente muda de uma atividade inacabada para outra

• tem dificuldade em brincar em silêncio ou tranqüilamente

• às vezes fala excessivamente

• vive perdendo itens necessários para tarefas ou atividades escolare

http://crisete.bebeblog.com.br/

Dislexia - Definição, Sinais e Avaliação

T



O maior erro que se pode fazer com os disléxicos é querer que eles escrevam como todo mundo.



Dislexia

Definida como um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração, a dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas realizadas em vários países mostram que cerca de 10 a 15% da população mundial é disléxica.

Ao contrário do que muitos pensam, a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição sócio-econômica ou baixa inteligência. Ela é uma condição hereditária com alterações genéticas, apresentando ainda alterações no padrão neurológico.

Por esses múltiplos fatores é que a dislexia deve ser diagnosticada por uma equipe multidisciplinar. Esse tipo de avaliação dá condições de um acompanhamento mais efetivo das dificuldades após o diagnóstico, direcionando-o às particularidades de cada indivíduo, levando a resultados mais concretos.


Sinais de Alerta

Como a dislexia é genética e hereditária, se a criança possuir pais ou outros parentes disléxicos quanto mais cedo for realizado o diagnóstico melhor para os pais, à escola e à própria criança. A criança poderá passar pelo processo de avaliação realizada por uma equipe multidisciplinar especializada (vide adiante), mas se não houver passado pelo processo de alfabetização o diagnóstico será apenas de uma "criança de risco".

Haverá sempre:



dificuldades com a linguagem e escrita ;

dificuldades em escrever;

dificuldades com a ortografia;

lentidão na aprendizagem da leitura;



Haverá muitas vezes :

disgrafia (letra feia);

discalculia, dificuldade com a matemática, sobretudo na assimilação de símbolos e de decorar tabuada;

dificuldades com a memória de curto prazo e com a organização’;

dificuldades em seguir indicações de caminhos e em executar seqüências de tarefas complexas;

dificuldades para compreender textos escritos;

dificuldades em aprender uma segunda língua.


Haverá às vezes:

dificuldades com a linguagem falada;

dificuldade com a percepção espacial;

confusão entre direita e esquerda.



Pré -Escola

Fique alerta se a criança apresentar alguns desses sintomas:

Dispersão;

Fraco desenvolvimento da atenção;

Atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem;

Dificuldade em aprender rimas e canções;

Fraco desenvolvimento da coordenação motora;

Dificuldade com quebra cabeça;

Falta de interesse por livros impressos;

O fato de apresentar alguns desses sintomas não indica necessariamente que ela seja disléxica; há outros fatores a serem observados. Porém, com certeza, estaremos diante de um quadro que pede uma maior atenção e/ou estimulação.



Idade Escolar

Nesta fase, se a criança continua apresentando alguns ou vários dos sintomas a seguir, é necessário um diagnóstico e acompanhamento adequado, para que possa prosseguir seus estudos junto com os demais colegas e tenha menos prejuízo emocional:• Dificuldade na aquisição e automação da leitura e escrita;

Pobre conhecimento de rima (sons iguais no final das palavras) e aliteração (sons iguais no início das palavras);

Desatenção e dispersão;

Dificuldade em copiar de livros e da lousa;

Dificuldade na coordenação motora fina (desenhos, pintura) e/ou grossa (ginástica,dança,etc.);

Desorganização geral, podemos citar os constantes atrasos na entrega de trabalhos escolares e perda de materiais escolares;

Confusão entre esquerda e direita;

Dificuldade em manusear mapas, dicionários, listas telefônicas, etc…

Vocabulário pobre, com sentenças curtas e imaturas ou sentenças longas e vagas;

Dificuldade na memória de curto prazo, como instruções, recados, etc…

Dificuldades em decorar seqüências, como meses do ano, alfabeto, tabuada, etc..

Dificuldade na matemática e desenho geométrico;

Dificuldade em nomear objetos e pessoas (disnomias)

Troca de letras na escrita;

Dificuldade na aprendizagem de uma segunda língua;

Problemas de conduta como: depressão, timidez excessiva ou o ‘’palhaço’’ da turma;

Bom desempenho em provas orais.

Se nessa fase a criança não for acompanhada adequadamente, os sintomas persistirão e irão permear a fase adulta, com possíveis prejuízos emocionais e conseqüentemente sociais e profissionais.



Adultos

Se não teve um acompanhamento adequado na fase escolar ou pré-escolar, o adulto disléxico ainda apresentará dificuldades;

Continuada dificuldade na leitura e escrita;

Memória imediata prejudicada;

Dificuldade na aprendizagem de uma segunda língua;

Dificuldade em nomear objetos e pessoas (disnomia);

Dificuldade com direita e esquerda;

Dificuldade em organização;

Aspectos afetivos emocionais prejudicados, trazendo como conseqüência: depressão, ansiedade, baixa auto estima e algumas vezes o ingresso para as drogas e o álcool.


DIAGNÓSTICO

Os sintomas que podem indicar a dislexia, antes de um diagnóstico multidisciplinar, só indicam um distúrbio de aprendizagem, não confirmam a dislexia. E não pára por aí, os mesmos sintomas podem indicar outras situações, como lesões, síndromes e etc.

Então, como diagnosticar a dislexia?

Identificado o problema de rendimento escolar ou sintomas isolados, que podem ser percebidos na escola ou mesmo em casa, deve se procurar ajuda especializada.

Uma equipe multidisciplinar, formada por Psicóloga, Fonoaudióloga e Psicopedagoga Clínica deve iniciar uma minuciosa investigação. Essa mesma equipe deve ainda garantir uma maior abrangência do processo de avaliação, verificando a necessidade do parecer de outros profissionais, como Neurologista, Oftalmologista e outros, conforme o caso.

A equipe de profissionais deve verificar todas as possibilidades antes de confirmar ou descartar o diagnóstico de dislexia. É o que chamamos de AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR e de EXCLUSÃO.

Outros fatores deverão ser descartados, como déficit intelectual, disfunções ou deficiências auditivas e visuais, lesões cerebrais (congênitas e adquiridas), desordens afetivas anteriores ao processo de fracasso escolar (com constantes fracassos escolares o disléxico irá apresentar prejuízos emocionais, mas estes são conseqüências, não causa da dislexia).

Neste processo ainda é muito importante:

Tomar o parecer da escola, dos pais e levantar o histórico familiar e de evolução do paciente.

Essa avaliação não só identifica as causas das dificuldades apresentadas, assim como permite um encaminhamento adequado a cada caso, por meio de um relatório por escrito.

Sendo diagnosticada a dislexia, o encaminhamento orienta o acompanhamento consoante às particularidades de cada caso, o que permite que este seja mais eficaz e mais proveitoso, pois o profissional que assumir o caso não precisará de um tempo, para identificação do problema, bem como terá ainda acesso a pareceres importantes.

Conhecendo as causas das dificuldades, o potencial e as individualidades do indivíduo, o profissional pode utilizar a linha que achar mais conveniente.

Os resultados irão aparecer de forma consistente e progressiva. Ao contrário do que muitos pensam, o disléxico sempre contorna suas dificuldades, encontrando seu caminho. Ele responde bem a situações que possam ser associadas a vivências concretas e aos múltiplos sentidos. O disléxico também tem sua própria lógica, sendo muito importante o bom entrosamento entre profissional e paciente.

Outro passo importante a ser dado é definir um programa em etapas e somente passar para a seguinte após confirmar que a anterior foi devidamente absorvida, sempre retomando as etapas anteriores. Ë o que chamamos de sistema MULTISSENSORIAL e CUMULATIVO.



Também é de extrema importância haver uma boa troca de informações, experiências e até sintonia dos procedimentos executados, entre profissional, escola e família.



Lembre-se que a ABD é seu ponto de apoio.

VISITE:

ABD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA - www.dislexia.org.br

APDIS - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA - www.apdis.com

BLOG DISLEXIA - http://dislexias.blogs.sapo.pt

DISLEXIA.DO.SAPO.PT - http://dislexia.do.sapo.pt/dislexia.html


Texto da Pesquisa
Imagem do google
http://crisete.bebeblog.com.br/
Ocorreu um erro neste gadget

Crianças Felizes Demais Nosso Blog!