CLIQUE EM Nossos anuncios.

CLIQUE EM Nossos anuncios.

Seguidores do Saber !

Direitos de Imagens

Direitos de Imagens
Toda imagem visualisada neste blog,são de origem do Google

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Direitos Iguais?


Temos a mesma forma humana o que distingue a minha pouca diferença é a pigmentação de minha pele.
Temos doenças ,ouvimos, falamos andamos e corremos.
Então não existe diferença:
Sou Humano da mesma forma que todos.
Respeite-me o preconceito é coisa de maus pensadores.
(Mary Cely)
Crianças Felizes Demais

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Equoterapia


EQUOTERAPIA

Os efeitos da terapia com cavalos

Todos conhecem e admiram o valor do cavalo na vida de uma pessoa e o quanto tem sido útil para a evolução da humanidade. O que muitos não sabem é que o contato com esse animal pode também trazer benefícios às pessoas com deficiência, por meio da eqüoterapia. O cavalo é um animal dócil, de porte e força, que se deixa montar e manusear, transformando-se em um amigo para o praticante, que cria com ele um importante laço afetivo. Essa relação de confiança e cumplicidade é essencial na sua recuperação, proporcionando ganhos não apenas no aspecto físico como também psicológico, possibilitando à pessoa em terapia uma boa dose de motivação e auto-estima para seguir em frente e alcançar a sua reabilitação.

A ANDE-Brasil, Associação Nacional de Eqüoterapia, fundada há 17 anos e sediada em Brasília, é responsável pela capacitação nessa área, reconhecendo e ministrando cursos em todo o Brasil. A associação define a eqüoterapia como um método terapêutico e educacional, que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e quitação, buscando o desenvolvimento biopsicos-social de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Na eqüoterapia, o animal é o objeto inter-mediador entre o praticante e o terapeuta. O contato com o cavalo propicia melhora na autonomia e independência. Além disso, promove a organização e a consciência do corpo, estimula a força muscular, melhora o equilíbrio, a postura e desenvolve a coordenação motora, entre outros.

Segundo o presidente da ANDE-Brasil, Lélio de Castro Cirillo, os profissionais que atuam na eqüoterapia são especializados em: Fisioterapia, Psicologia, Equitação, Terapia Ocupacional, Pedagogia, Psicopedagogia, Educação Física e Fonoaudiologia, entre outros. Sendo o mínimo para composição de uma equipe: fisioterapeuta, psicólogo e equitador.


INDICAÇÃO


A eqüoterapia é indicada para crianças e adultos, em diversos casos, como paralisia cerebral, acidente vascular cerebral (derrame), trauma crânio encefálico, lesões medulares, síndromes, autismo, psicoses, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), deficiência visual, deficiência auditiva, fobias, estresse, entre outros.

A terapia só pode ser indicada após avaliação médica, psicológica e fisioterapêutica. As sessões podem ser realizadas em grupo, porém o planejamento e o acompanhamento devem ser individuais.

É indispensável que o terapeuta conheça a patologia do paciente, o cavalo, as técnicas específicas a empregar nas áreas de saúde, educação e equitação e entenda as necessidades do praticante. Durante toda a sessão, o terapeuta ajuda a estimular a auto confiança, auto-estima, a fala e a linguagem. Promove, ainda, estimulação tátil, orientação espacial e temporal, memória, percepção visual e auditivas, equilíbrio e direção, entre outros.

Na eqüoterapia são oferecidos quatro programas destinados às diversas necessidades dos praticantes: 1) A Hipoterapia: um programa de reabilitação para pessoa com deficiência física ou intelectual, que não têm condições para se manter sozinha no cavalo. Necessita, potanto, de auxiliar - guia e auxiliar - lateral, que ficam junto e ao lado do praticante, acompanhados pelo terapeuta, que conduz a execução dos exercicios programados. 2) A Reeducação eqüestre: um programa de reabilitação ou educativo para quem tem condição de exerxer alguma atuação sobre o cavalo e conduzi-lo. 3) O Pré-esportivo: um programa de reabilitação ou educativo para quem tem boas condições para atuar e conduzir o cavalo. O praticante pode participar de alguns exercícios de hipismo. 4) Esportivo: aplicado também como reabilitação e educativo para quem tem boas condições para andar à cavalo, já podendo participar de competições hípicas. Todos os programas contam com a orientação dos profissionais.



O CAVALO E A TERAPIA


Cada passo completo do cavalo apresenta padrões semelhantes aos de caminhar humano e impõe um deslocamento da cintura pélvica (quadril) da pessoa quando ela está sobre o animal. A primeira manifestação física quando a pessoa anda à cavalo é o ajuste tônico, que se torna rítmico, com o deslocamento do cavalo em cada passo, ou seja, na medida em que o praticante anda à cavalo, há um ajuste natural do corpo, em que o movimento de seu quadril acompanha o ritmo do andar do cavalo. A adaptação a esse ritmo é uma das peças mestras da eqüoterapia.

O cavalo nunca está totalmente parado. A troca de apoio das patas, o deslocamento da cabeça ao olhar para os lados, as flexões da coluna, o abaixar e alongar do pescoço impõem ao cavaleiro um ajuste no seu comportamento muscular, a fim de responder aos desequilíbrios provocados por esses movimentos. Os deslocamentos da cintura pélvica produzem vibrações que são transmitidas ao cérebro do praticante, via medula, o que já foi apontado ser adequado à saúde, por trazerem reações de “endireitamento” do corpo, ajustando a postura e melhorando seu equilíbrio.

É preciso um animal especial e adestramento para atuar nessa terapia, chamado de “cavalo-tipo”, com andadura correta. O cavalo é trabalhado para aceitar os comandos de uma pessoa com deficiência. Os cuidados dispensados ao animal são os mesmos relativos aos cuidados básicos de um cavalo comum, com diferenças apenas na alimentação. Em geral, consome alfafa, feno e capim (proteínas), além de uma ração específica com nutrientes necessários para seu bem-estar.

A segurança física do praticante deve ser uma preocupação constante de toda a equipe, com atenção especial ao comportamento e atitudes habituais do cavalo e às circunstâncias que podem vir a modifica-los. O local das sessões também merece atenção para evitar ruídos anormais que venham assustar os animais.



CUSTO X BENEFÍCIO

De acordo com a psicopedagoga Liana Santos, os ganhos motores e psicológicos são visíveis e os resultados podem aparecer em 6 meses de montaria, com sessões semanais de em média 40 minutos. As dificuldades ainda são a falta de informação sobre a existência do método e o tabu de se tratar de uma terapia. Na rede particular, pode custar em torno de R$ 280,00 a R$ 400,00 por mês, com sessões semanais. Todos os centros de eqüoterapia, filiados a ANDE-BRASIL, reservam 20% de seus atendimentos para pessoas que não podem pagar. As informações sobre a disponibilidade dessas estão no site http://www.equoterapia.org.br/. É só conferir os centros e entrar em contato.


Fonte: Jornal da AME
Fonte de minha Pesquisa
http://autismoprojeto.blogspot.com/

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Obrigado...Sempre.


Comentários de mães que tem difculdades com suas crianças.
Não estamos sózinha uma apoia a outra ,compartilhar ideias e desabafos ajudam a criar um vínculo e um grande ponto de partida.
Não estamos só!













Bia Machado disse...

Célia, sou portadora e mãe de uma criança de 10 ano com TDA/H. Ele também desenvolveu comorbidades, incluindo transtorno desafiador opositor.Nós que vivemos isso diariamente, sabemos como é difícil manter o controle, para não piorar mais ainda a situação.Temos também a tarefa de reconhecer quando ele está sendo simplesmente malcriado ou se a sua ação é por causa do transtorno.Tenho muita vontade de termos um grupo de apoio, pois assim dividindo e trocando experiências poderemos conviver melhor.
Força e fé que conseguiremos ajudar nossos filhos a terem as mesmas oportunidades das crianças que não tem TDA/H
Mary Cely, me desculpe por ocupar tanto espaço no seu blog.Um abraço e obrigada.

TDHAeleanora disse...

Olá mães.
Eu também sou mãe de uma criança como as de vocês.
Gariel hoje tem 12 anos, mas no começo, tenho certeza, que passaram pelo que eu passei. Diagnóstico errado, e profissionais sem conhecimento para lidar com estas crianças.
A primeira coisa que o médico do Gabriel me disse quando cheguei no HC( acabei indo para lá, porque mesmo com um bom convênio há alguns anos atrás não tínhamos tantos profissionais preparados como hoje): Ele me disse exatamente:
"_Um dia vc vai se orgular do seu filho."
E eu me orgulho do meu filho. Ele é lindo, inteligente. Como vcs mesmo mencionaram, desenvolveu outras características: o Toc.
Também trato com terapeuta, Ritalina, psiquiatr e por aí vai...
Não é fácil! Ao contrário, Gabriel estudava numa escola particular. Eu achava que estva sendo melhor p/ ele. A pedagoga e psicopedagoga pareciam sempre estar acompanhando tudo, mas ele sofria buling, não tinha amigos, e eu não percebia o quanto iso estava impactando na parte emocional do meu filho.
Quando resolvi tirá-lo do colégio, ele precisou de um acompanhamento terapêutico muito mais intendo, estava com o emocional em frangalhos.
Havia dias que eu chorava junto com ele, porque me contva como não tinha amigo e como era tratado na escola pelos meninos.
Hoje meu filho está numa escola da Prefeitura e se eu soubesse que ele seria tão bem aceito, teria feito esta troca há mais tempo.
Meu filho é outra criança; com auto-estima melhor e se tornando mais independente.
É claro que criança com TDAH, exige muito mais atenção. Da minha parte não tem sido fácil, porque eu também tenho e estou fazendo o tratamento.
Não desanimem. Estas crianças são maravilhosas. Fiquem atentas aos "dons" dessas crianças. Elas não são crianças comuns.
Força! Fiquem com Deus!

Aparecida G. Telli disse...

Olá Bia e Eleanora, fiquei feliz em saber que não estou sozinha nesta caminhada, e que estão também lutando assim como eu, com o TDAH. O importante é deixarmos nossos filhos onde melhor se identifiqueme que seja da vontade deles, o meu filho está gostando da escola atual, e isto conta muito, pois antes não queria ir a escola. O meu filho tem muita ansiedade também, não consegue esperar nada, tudo para ele tem que ser para ontem. Bom podermos trocar experiências e aprendermos umas com as outras. Que Deus nos ilumine e nos dê muita força nesta jornada, e proteja e guarde nossos filhos. Grande abraço! Célia Telli.


Este espaço está aberto para todos que desejam dar sua opinião.A União faz a forças.
PAZ E BEM.

Comentários de mães que tem seus desafios a transpor no seu dia a dia convivendo diretamente com portadores de TDAH grata pelo apoio de todas.
Ocorreu um erro neste gadget

Crianças Felizes Demais Nosso Blog!