Seguidores do Saber !

Direitos de Imagens

Direitos de Imagens
Toda imagem visualisada neste blog,são de origem do Google

sábado, 19 de janeiro de 2013

Viver com TDAH I





“Quando lhe pergunto o que está acontecendo, ele reclama que é tudo confuso em sua cabeça e de como é difícil organizar seus pensamentos"

"Vejo que quando ele perde suas coisas, é muito difícil concentrar para achá-las.”
O TDAH pode afetar todos os aspectos da vida de alguém – em casa, na escola, no trabalho e com amigos.

Muitos jovens com sintomas de TDAH se ajustam à idade adulta. No entanto, estudos mostraram que muitos jovens com sintomas sustentados continuam a ter sérias dificuldades na vida adulta. Estas podem incluir dificuldades emocionais (depressão, irritabilidade), questões sociais (comportamento antissocial) e profissionais (desemprego).

Por isso é tão importante diagnosticar a condição e estabelecer um plano de tratamento.

Estudos mostram que combinar terapia comportamental com medicação adequada é a mais bem sucedida forma de tratamento do TDAH.

Um programa eficaz de tratamentos, que pode envolver a modificação de comportamento e o uso de medicamentos, pode permitir que as pessoas com TDAH desfrutem de uma vida menos caótica e mais estruturada.



http://www.tdahevoce.com.br/

TDAH Em casa II






“Sinto dificuldade em ficar pronto de manhã. Como posso me tornar mais organizado? Quero fazer meu dever de casa, mas como posso terminar meu trabalho sem perder minha concentração com tanta frequência?"

"Às vezes, esqueço-me das coisas que tenho que fazer. Como posso ajudar a mim mesmo?”
Estas dicas podem ajudar a manter as coisas mais organizadas em casa:

Se o quarto estiver cheio de coisas, arranje três caixas grandes. Etiquete-as com “Uso o tempo todo”, “Uso às vezes”, e “Não uso faz anos”. Separe os objetos do quarto e coloque-os na caixa respectiva. Então jogue fora a caixa “Não uso faz anos”;
Um porta-chaves com ganchos etiquetados no corredor é uma ferramenta útil. De outra maneira, será mais difícil lembrar onde estão as chaves;
Use agenda e listas de “A fazer”, de modo a lembrar de trabalhos que precisam ser finalizados em casa;
Um calendário com bastante espaço para anotação para cada dia permitirá que anote agendamentos, compromissos sociais e coisas que precisam ser feitas em determinada data. Mas cuidado! Calendários não são para todo mundo; deve-se lembrar de preenchê-los;
Trabalhos maiores, que podem parecer difíceis, ficam bem mais fáceis de resolver se divididos em pedaços menores;
Notas adesivas (post-it) com código de cores são excelentes exercitadores de memória para tarefas “a fazer” importantes. Compromissos podem ser em notas amarelas, lembretes de ligação telefônica em rosa, e assim por diante.


http://www.tdahevoce.com.br/tdahevoce/gerenciar-o-tdah/em-casa.aspx

TDAH "Mitos III








“Sempre ouço uma porção de histórias sobre o que causa TDAH. Gostaria de saber o que é verdade e o que não é."

"É verdade que aditivos alimentares podem causar TDAH?”
Quantas vezes se ouve pessoas bem intencionadas tentar identificar a “causa” de seu TDAH? “Disciplina insuficiente em casa”. “TV demais”. “Jogos de computador demais”. “Aditivos alimentares demais”.

Este último mito começou nos EUA quando um professor de imunologia afirmou que as taxas de hiperatividade estavam aumentando na proporção do número de aditivos nos alimentos. Isto foi defendido pela imprensa e a história se espalhou pelo mundo afora.

Os estudos clínicos para investigar isto não se revelaram conclusivos. De acordo com as últimas diretrizes emitidas pelo National Institute for Health and Clinical Excellence/Instituto Nacional para Saúde e Excelência Clínica (NICE), a eliminação de cores e aditivos artificiais não é recomendada como uma intervenção de rotina para o TDAH.

Mas se parecer haver uma clara ligação entre alimentos ou bebidas específicos e um padrão de comportamento particular, deve-se manter um diário alimentar e conversar com seu médico sobre ser indicado para um profissional nutricionista.

O TDAH é real?
Por encontrarmos sintomas do TDAH em todo o mundo, em um momento ou outro da vida, ou mesmo do dia, algumas pessoas acreditam que o transtorno não exista realmente.

Na verdade, médicos têm registrado casos de crianças surpreendentemente desatentas por mais de 100 anos. Em 1865, o médico alemão Heinrich Hoffmann escreveu o poema “Philip Inquieto”, que descreve uma criança que não consegue se sentar quieta, que se retorce e dá risadinhas, balança para frente e para trás na cadeira e é impaciente, impetuosa e travessa; ela apresenta muitos dos sintomas que hoje são aceitos para definir o TDAH.

Hoje em dia, pesquisadores estão reunindo mais evidências sobre a existência do TDAH, por meio do estudo de varreduras do cérebro. Estas imagens sugerem que há diferenças sutis nos cérebros das pessoas que foram diagnosticadas com o transtorno.


http://www.tdahevoce.com.br/tdahevoce/sobre-tdah/mitos.aspx
Ocorreu um erro neste gadget